Segunda, 21 de Junho de 2021
89 99408-9358
Brasil Brasil

CPI calcula 100 mi de vacinas a menos por ofertas recusadas

Oposição ao governo, o senador e vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues, considerou ofertas do Instituto Butantan e da Pfizer

27/05/2021 19h20
Por: Carlos Eduardo Borges Fonte: R7 - Gabriel Croquer, do R7
Randolfe falou em entrevista coletiva ao lado do relator da CPI da Covid, Renan Calheiros - (Foto: Agência Senado)
Randolfe falou em entrevista coletiva ao lado do relator da CPI da Covid, Renan Calheiros - (Foto: Agência Senado)

O Brasil tem 100 milhões de doses de vacinas a menos no primeiro semestre de 2021 depois de recusas ou da demora do governo federal para responder às ofertas da Pfizer e do Instituto Butantan, avaliou nesta quinta-feira (27) o vice-presidente da CPI da Covid, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que é um dos senadores independentes da comissão. O ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello rebateu as acusações de demora em seu depoimento aos senadores.

"O depoimento do CEO da Pfizer e o depoimento hoje, do presidente do Instituto Butantan prova claramente que nós poderíamos ter mais de 100 milhões de doses de vacinas no Brasil e isso imunizaria pelo menos 50 milhões de brasileiros ou mais", disse Randolfe, em entrevista coletiva ao lado do senador Paulo Pimenta e do relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL).

O parlamentar levou em conta as versões dos depoimentos do gerente-geral da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, e o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas. Os dois afirmaram que ofereceram acordo pela compra de suas vacinas ao governo federal e foram recusados. 

Segundo Covas, mesmo com a aprovação da Coronavac pela Anvisa só saindo em 17 de janeiro de 2021, o fechamento do acordo entre governo e Butantan em outubro de 2020 garantiria a produção de 100 milhões de doses para o primeiro semestre do ano.

Já o gerente da Pfizer afirmou aos senadores que o Brasil deixou de receber ao menos 4 milhões de doses do imunizante neste primeiro semestre de 2021 em função da demora em fechar o negócio. Se o primeiro contrato tivesse sido aceito, a população teria um total de 18 milhões de doses, ainda de acordo com Carlos Murillo. Pelo primeiro contrato, fechado em abril, o total previa 14 milhões.

Já o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, também em depoimento à CPI, rebateu Murillo sobre ter ignorado ofertas da Pfizer e afirmou que o acordo com o Instituto Butantan não foi prejudicado por declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.